Arquivo do mês: fevereiro 2009

Paraíba: os piores eleitores do Brasil

Faz tempo que o CN critica a forma de votar dos brasileiros. Alguns até acham que não deveriam nem votar, são os adeptos do voto nulo.

Independente disso queremos registrar aqui nosso protesto contra os eleitores da Paraíba. Sim, nosso protesto é contra os eleitores.

O governador eleito Cássio Cunha Lima (PSDB) foi cassado e perdeu seu mandato por abuso de poder econômico. Lima teria distribuído R$ 4 milhões dos cofres públicos em cheques a eleitores carentes. O vice-governador, José Lacerda Neto (DEM) também foi cassado. (G1)

Mas não pense o leitor que os eleitores da Paraíba estão livres de políticos corruptos. O 2º colocado nas eleições é quem assumiu o governo: José Maranhão (PMDB).

Este distinto senhor tem pelo menos 8 processos na justiça sendo que destes, 3 poderão levá-lo a perder o mandato. E ainda assim permitiram que ele tomasse posse.

Além disso, “amigos” de Cássio Cunha Lima, entre eles seu primo que é presidente da Assembléia Legislativa do Estado estudam medidas para dificultar a permanência de Maranhão no Cargo. Para Artur Cunha Lima (primo de Cássio), segundo o artigo 83 da constituição estadual, a eleição deveria se dar de forma indireta.

Independente da escolha, com pessoas como essa tomando conta da política da Paraíba, há pouco ou quase nada a se fazer.

Por isso concedo aos eleitores da Paraíba o título de “piores eleitores do Brasil”. Acha exagero? Mas quem foi que escolheu seus mandatários? Não bastasse escolher um, escolheram dois.

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Viagens pelos Estados

Na terra, no ar e no mar

Para nós já é novidade discutir sobre o trânsito das grandes cidades e a enormidade de acidentes que acontecem nas rodovias, em especial nos feriados, quando aumenta a quantidade de veículos.

Mas agora o trânsito também tem destaque no mar e no ar, mais precisamente no espaço.

Dois satélites, um americano e outro russo, se chocaram no espaço espalhando um sem número de pedaços (que vão se juntar a outro sem número, o famoso lixo espacial) que poderá por em risco a Estação Espacial Internacional. A ISS tem um custo estimado de US$ 100 bilhões de dólares e tem a participação do Brasil. Assista aqui a possíveis destroços dos satélites no céu dos Estados Unidos (Reportagem da BBC).

O curioso aqui é que apesar da grande quantidade de objetos em órbita – 220 satélites comerciais e cerca de 10 mil objetos (lixo espacial) – é a primeira vez na história que satélites colidem. Será a primeira de muitas?

Dois submarinos, um francês e outro inglês, se chocaram no Oceano Atlântico no começo do mês de fevereiro. Ambos sofreram graves danos, mas apesar de “carregados” com mísseis nucleares, as autoridades dos dois países negaram qualquer tipo de problema em relação às suas cargas.

O que mais incomoda do acidente com os submarinos  é que ele aconteceu no começo do mês e só foi divulgado ontem (16/02). Foram pelo menos 15 dias. Minha pergunta é: se houvesse um desastre (se é que não houve) será que ficaríamos sabendo?

Corremos um grande risco e isso é o que mais incomoda. Dependendo do acontecido, só ficamos sabendo depois, ou quando o perigo passou ou ainda  quando não foi nada além do susto. Talvez um dia vamos dormir e quando acordar, nada mais restará.

Para saber mais:

Submarinos nucleares britânico e francês colidem no oceano

Dois satélites se chocam no espaço em acidente inédito

Nota da Redação: O link do vídeo foi disponibilizado utilizado a ferramenta do migre.me, um “encurtador” de endereços. Acesse e conheça: http://www.migre.me

Deixe um comentário

Arquivado em Ciência

Minas Gerais: Por quanto tempo se pode esconder um castelo?

 

Leonardo Costa/D.A Press/Agência O Globo)

O castelo em Minas Gerais, avaliado em R$ 25 milhões. (Foto: Leonardo Costa/D.A Press/Agência O Globo)

O leitor do CN bem nos conhece e sabe que não gostamos de opinar sobre notícias que estão povoando a mídia. Mas não podíamos deixar passar essa situação, principalmente por conta dos pedidos que nossa redação recebeu.

 

Guardem bem esse nome: Edmar Moreira. Ele tem um castelo em minas Gerais avaliado em R$ 25 milhões. 

Ontem eu vi uma reportagem que falava que nós, blogueiros, poderíamos ser processados por qualquer coisa que fosse escrita e que atingisse a honra de alguém. Por um momento fiquei com receio de escrever sobre esse assunto, afinal, o “nobre” deputado parece ser bem rico.

Mas ao mesmo tempo pensei que como será que esse deputado juntou tanto dinheiro? Você não sabe? Pois é, esse malandro descontava INSS de seus funcionários e enfiava no bolso. Deve ser craque em burlar a Receita Federal, já que escondeu da justiça o castelo.

Pelo menos ele é um pai dedicado. Doou o castelo aos filhos. Cara de pau, isso sim.

E quer saber mais, eu poderia ser processado se ofendesse a honra de alguém, mas o “nobre” deputado não tem honra, logo não posso ser processado.

Prevendo que seria expulso do DEM, Moreira “pediu pra sair” e agora corre o risco de perder o mandato, já que de uns tempos pra cá o STJ tem “devolvido” a cadeira de deputado ao partido, principalmente em casos de infidelidade.

Agora, cá entre nós, quem deu o cargo de Corregedor da Câmara para esse canalha? Para quem não sabe, o Corregedor é responsável por fiscalizar os colegas. Todo mundo já sabe quem é que o deputado Moreira iria vigiar, não é? Ninguém!

O PSOL pediu ao novo Corregedor, ACM Neto (sem comentários) que investigue o deputado do castelo.

Em tempos modernos, esse senhor deveria sair algemado do Congresso.

Deixe um comentário

Arquivado em Cotidiano Nacional, Viagens pelos Estados

Tocantins: continuam os escândalos nas Universidades

Este post marca a volta da Série “Viagens pelos Estados”. Apenas para lembrar o nobre leitor, nosso intuito é mostrar que não é só em São Paulo e Rio de Janeiro que acontecem coisas boas e coisas ruins.

Isso ficou bastante evidente no post Amazonas: lá também é Brasil publicado em julho de 2007.

Assim como a violência acontece em todo lugar, a corrupção impera em nosso país e parece que o nosso presidente atribui esse acontecimento a um “problema cultural”.

Comentários insanos a parte, uma Universidade do Tocantins acaba de trocar seu reitor. Um renunciou alegando problemas de saúde, mas a verdade mesmo é que ele estaria envolvido em desvio de dinheiro.

A Universidade oferece cursos a distância, o aluno paga para uma empresa que tem convênio com a Universidade, e esta empresa não estaria repassando os valores para a Universidade e esta por sua vez não paga seus funcionários. Pergunto: se o dinheiro é para ir pra Universidade, porque passar na mão de “atravessadores”?

De qualquer forma foi nomeada a nova Reitora que declarou ser “um desafio importante e de grande responsabilidade social”. Resumindo: falou e não disse nada.

Outro assunto que chamou a atenção é que na Assembléia Legislativa do estado, parlamentares não consideraram importante a presença do ex-reitor para dar explicações. Muito, mas muito estranho essa atitude. Inconformado, o deputado que queria convocá-lo disse que anteriormente já havia feito outra denúncia em relação a outro órgão público e também não teria sido ouvido.

Tudo leva a crer que o estado do Tocantins é novo, mas não é bobo e está de lama até o pescoço. Como está perdido lá no meio do Brasil, nem sequer passa na televisão. Mas se alguém roubar uma galinha aqui em São Paulo, passa até no fantástico.

Apenas para título de informação, a Unitins é “Fundação Pública de Direito Privado, mantida por entidades públicas e particulares, com apoio do Governo do Estado, tendo sede e foro em Palmas, Capital do Estado, e atuação em todo território nacional”. (Fonte: http://www.unitins.br)

Novamente este post só vem mostrar que não adianta se esconder, por menor ou mais longe que seja o lugar, sempre tem corrupção e nem sempre é possível esconder essas mazelas para sempre.

O jornal pesquisado foi o Conexão Tocantins.

Deixe um comentário

Arquivado em Viagens pelos Estados

O melhor emprego do mundo

 

Governo de Queensland/BBC

Foto: Governo de Queensland/BBC

Quem não sonha em ter o melhor emprego do mundo. Eu, muitas das vezes tenho sonhos que realmente são sonhos, coisas que muitas vezes parecem bem longe da realidade.

 

Em relação ao emprego é assim também. Muitas das vezes eu sonhava em arrumar um emprego em uma praia, ter que ficar contando ovo de tartaruga, ou cuidando delas, ou coisa do tipo.

Geralmente, o emprego do sonho é uma grande ilusão, mas ainda é permitido sonhar.

No entanto, recentemente parte do meu sonho se tornou em realidade. Eu digo parte porque o emprego existe, mas ele não será meu.

A governadoria de Queensland, na Austrália, oferecerá um emprego para trabalhar em uma das 600 ilhas da Grande Barreira de Corais, ganhando módicos R$ 40 mil reais por mês durante 6 meses apenas.

Dentre as atribuições do cargo estão “a coleta da correspondência, alimentar tartarugas marinhas e peixes, limpar as piscinas, observar baleias e mergulhar”.

O felizardo terá ainda a “dura tarefa” de manter um blog na internet, diário de fotos e vídeos. Terá a sua disposição uma casa com três quartos e sacadas com vista para o mar e um buggy para “rodar” pela ilha.

Definitivamente o emprego dos sonhos existe, mas como todo sonho, a realidade é outra. Serão apenas e tão somente 6 meses e poderá causar um mal à saúde, porque como bem disse a ministra do turismo de Queensland, o “maior risco será que o empregado não vai querer ir para casa no final dos seis meses”.

Para saber mais, acesse http://migre.me/w0
(Reportagem do G1)

Deixe um comentário

Arquivado em Cotidiano Nacional, Internacional

Será que os tempos realmente mudaram?

Recentemente, com a as eleições de Jose Sarney para a presidência do Senado e Michel Temer para a presidência da Câmara, fiz o seguinte comentário no meu Twitter: “Os tempos são outros, mas os nomes são os mesmos. Faz tempo que ouço falar de Sarney e Temer”.

Mas estava refletindo: será mesmo que os tempos são outros? Talvez o mais correto seria achar que as coisas demoram muito mais para passar do que “simples” 23 anos. Sim, foram 23 anos desde que José Sarney assumiu a presidência da república depois do assassinato da morte de Tancredo Neves.

Só sei que o tempo passa, o tempo voa, a poupança Bamerindus nem existe mais, mas os coronéis da política estão sempre em cima.

Será que era para ser assim ou somos os responsáveis e, portanto devemos colocar a “viola no saco”? Quem arrisca?

Deixe um comentário

Arquivado em Cotidiano Nacional

Qual jornal você lê?

Assim como em diversos setores da sociedade, a imprensa escrita também é feita para as diversas classes sociais e intelectuais.

Portanto, temos jornais mais rebuscados e jornais mais populares. Alguns ainda são denominados carinhosamente de “espreme-e-sai-sangue”. Quem não se lembra do saudoso “Notícias Populares” de São Paulo?

O que eu acho importante saber é que essa separação não se por conta da cultura ou da educação das classes. Talvez uma forma mais fácil de interpretação é encontrada nos jornais ditos “populares”.

Neste último domingo adquiri um jornal desses, em buscas de notícias que pudessem trazer um pouco de inspiração para o Cotidiano Nacional, que como bem sabe o leitor, carece de atualizações e presença mais frequente.

Sendo assim, duas reportagens que parecem distintas, mas são na verdade o retrato daquele que é o problema maior do Brasil: a educação.

A primeira conta a história de uma garota de 14 anos que entrou na justiça para ser reprovada. Os critérios atuais de avaliação permitem uma tal de progressão continuada, e a “pobre” menina seria alçada ao ensino médio sem ao menos saber fazer contas simples ou mesmo interpretar textos básicos. O jornal teve acesso a uma das provas da menina, onde ela relata à professora que não tinha certeza de que a questão estava “serta” e que havia achado a prova muito “dificeou”, ou coisa do tipo. A professora escreveu um sim “tá bom”.

A outra história fala que pessoas têm levado seus animais de estimação para tomar “passe” em centro espírita. Uma delas disse inclusive que agora o cãozinho está mais calmo. Outra, advogada, disse acreditar que seu cachorro fora curado de um câncer.

Como eu disse, as duas reportagens são bem parecidas. Uma garota é ignorante (no sentido real da palavra) porque está na oitava série e mal sabe ler e escrever. Tem pouca culpa, dada as regras atuais da educação. A outra é uma ignorante (no sentido pejorativo da palavra) em acreditar nessas baboseiras e ainda fazer papel de palhaça em um jornal. O que adiantou estudar? Na certa fez a faculdade nessas de esquina mesmo. Sim, o nome da faculdade faz a diferença e quem não acredita nisso é porque quer esconder o sol com a peneira.

E o jornal? Ah, esse só quer vender exemplares.

A educação é o maior problema do país e se não começarmos por ela, nada será feito em nenhuma outra área. Não esqueço a discussão que tive com uma professora, que achava que não adiantava arrumar só a educação. Adianta sim, pois o ajuste da educação acaba por ajustar outras áreas, por tabela.

Mas isso não significa nada. Se pelo menos começássemos a fazer algo, já seria uma grande coisa.

Deixe um comentário

Arquivado em Cotidiano Nacional