Arquivo do mês: janeiro 2011

Doe sangue e salve algumas vidas

Desde 1996 adquiri o hábito de doar sangue, pelo menos umas 3 vezes por ano. De lá pra cá, devo ter doado pelo menos 2 vezes o volume de sangue que tenho no corpo.

A sensação de poder ajudar alguém é muito boa. Nunca soube quem recebeu meu sangue, mas mesmo assim continuo oferecendo de forma voluntária. Também nunca espero receber nem mesmo um obrigado, ou uma medalha (apesar de ter ganhado uma medalha). Há tempos venho me exercitando na tarefa de fazer qualquer coisa sem esperar nada em troca.

E sábado passado foi um dia desses. Fui ao Banco de Sangue localizado no Hospital das Clínicas em São Paulo doar mais 400/450 ml de sangue.

Se você está em boas condições de saúde e respeita todas as normas necessárias para doar sangue, não vejo porque você não possa, pelo menos uma vez por ano (mesmo que possa mais vezes) doar sangue para aqueles que precisam. E pode acreditar. Sempre estão precisando de sangue.

Não há desculpa para não doar sangue. Seu sangue não vai afinar nem engrossar. Se a sua desculpa é de caráter religioso, pior ainda. Não aceito ignorância nestas horas.

Não tem nada melhor do que poder oferecer o que nós temos de melhor para pessoas que nem sequer conhecemos. É um gesto de humanidade, acima de tudo.

Maiores informações, consulte http://www.prosangue.sp.gov.br

 

Deixe um comentário

Arquivado em Cotidiano Nacional

Ensaio sobre a religião

Hoje, enquanto tomava banho após minha atividade física matinal, estava pensando sobre a questão da religiosidade das pessoas.

Venho sofrendo uma forte pressão por parte de familiares pelo fato de nunca ter batizado meu filho. Não é uma pressão declarada. São comentários sobre a necessidade (sic) de se ter uma religião. Mas para que mesmo?

Recentemente um apresentador de televisão, que na minha opinião já deveria ter se aposentado porque eu não preciso que ninguém fique falando asneira para mim, teve a infeliz ideia de dizer que as coisas ruins, os crimes e etc, aconteciam porque as pessoas não tinham Deus em suas vidas. Declaração infeliz de um cara mais infeliz ainda.

Para o governo de todos vocês, leitores, atualmente os bandidos estão se tornando pastores para roubar o patrimônio dos fiéis, na cara dura. E roubam a esperança, a crença e sabe-se lá mais o que.

E depois vem um imbecil dizer que é porque falta Deus? Eu tenho certeza que minhas atitudes estão mais bem vistas aos olhos de Deus, levando-se em conta que Ele exista realmente, do que muitos religiosos que não saem da igreja. E sabe porque? Porque eu me esforço para não ser hipócrita, mas os religiosos não. Eles são hipócritas por escolha própria.

E outra coisa: tenho certeza que meu filho tem aprendido mais valores em casa e na escola do que aprenderia se estivesse na igreja.

Deixe um comentário

Arquivado em Cotidiano Nacional

A obra da praça de Bananal(SP)

As pequenas cidades do interior do país sofrem constantemente com a falta de recursos para as necessidades básicas da população, que dirá então para outras obras menos importantes mas não menos necessárias para tornar o espaço público mais organizado e digno dos cidadãos contribuintes.

Assim é também na pequena cidade de Bananal(SP), distante cerca de 330 km da capital do estado mais rico do país. A pequena cidade encravada no vale do Rio Paraíba, distante 16 km da divisa com o estado do Rio de Janeiro, vem sofrendo há vários mandatos, com prefeitos e prefeita totalmente irresponsáveis e sem nenhum cacuete para a coisa pública.

Um deles é membro de uma família um dia influente, mas parece que hoje o tempo está desgastando o poder, assim como quase tudo naquela cidade. A primeira mulher prefeita da cidade foi um desastre total. Curioso é que ela foi três vezes primeira dama, e na certa nada aprendeu com o marido, que foi um bom prefeito. O atual, curiosamente também é ligado a política. Seu pai foi prefeito da cidade por três oportunidades. Dizem que foi um bom prefeito, no entanto, seu filho, é outro desastre anunciado.

Mas não estamos aqui para julgar as péssimas administrações dos nossos mandatários, mas para falar de uma reforma, que o atual prefeito, que é filiado ao partido abutre (Não entendeu, clique aqui.), fez questão de propagandear pela cidade como mais uma obra de sua administração. Veja vocês, “mais uma obra“. Difícil mesmo é achar as outras obras.

Pois bem: a praça está quase abandonada, com algumas estacas circundando-a, praça onde está fincada a nossa Maria Fumaça, que transportava o café nos tempos aúreos, e a estação ferroviária, única no mundo, importada da Bélgica pelos barões do café. Resumindo: um local com presença garantida de turistas.

A praça está sem a menor condição de receber com dignidade quem quer que seja, mas a placa publicitária está lá. E não é pequena.

Pena que essa praça, ao que parece e levando-se em conta as informações da própria prefeitura, nunca ficará pronta. Primeiro porque o prazo de conclusão era em 2010 e depois porque a data para a entrega da praça simplesmente não existe. Vejam vocês mesmo:

Foto: Arquivo Pessoal

Se esse fosse o maior dos problemas de Bananal, as coisas estavam boas.

A cidade não tem nenhuma infraestrutura para turismo, apesar de ser e estar no circuito turístico do estado. A saúde é um caos total. Não há remédios, médicos e nem equipamentos. Existe uma ponte, que no passado chamávamos de “ponte do Zezão”. O Zezão já morreu faz tempo e a ponte é um amontoado de madeira, que acabou sendo arrastada pelas chuvas de janeiro e agora não passa mais carro. Mal passa gente. Será que um dia algum prefeito vai ter vergonha na cara e construir um ponte decente?

Bananal está entregue à sua própria sorte, pois não bastasse a incompetência do atual prefeito, temos uma câmara municipal preenchida por alguns bêbados e analfabetos.

E ai de quem quiser que eu prove o que estou falando.

Deixe um comentário

Arquivado em Cotidiano Nacional

Balanço do governo Lula

Terminado 8 anos de governo do presidente Lula, todos nós nos achamos habilitados a fazer uma análise deste período, mesmo que não sejamos especialistas no assunto. É mais ou menos como ir ao estádio de futebol e achar que nossas análises são melhores que a do técnico e então xingamos, pedimos substituição e damos a receita para que o time possa vencer.

Eu classificaria o governo do presidente Lula como muito bom. Houve avanço na área social e muitas pessoas tiveram um leve aumento em seu poder de compra, principalmente por causa das inúmeras bolsas e auxílios criados pelo governo. A principal delas, a bolsa-esmola bolsa-família é uma das grandes responsáveis pela reeleição do Lula e pela vitória da Dilma.

Muitos empregos foram criados, apesar da crescente desqualificação do trabalhador brasileiro, e muitos jovens (alguns mais velhos) puderam ingressar na faculdade e cursar o ensino superior, obtendo assim seu diploma, afinal, não é todo mundo que tem a honra de receber, como primeiro diploma, o de presidente da república.

No entanto, o governo Lula pecou muito na área da justiça. Para que amigos fossem beneficiados, a lei foi jogada fora, rasgada e jogada na lata do lixo, e muitas vezes quem fez isso foi o então ministro da justiça, Tarso Genro. Antes deles, Márcio Thomaz Bastos também nos envergonhou.

O ex-presidente Lula é do tipo que usa o expediente “Aos amigos tudo, aos inimigos a lei”. Expediente típico de esquerda que se diz perseguida, mas que rompe todas as barreiras do direito para impor sua vontade. Essa é a famosa ditadura democrática.

Com o governo do PT, o sentimento de querer participar de jogatinas aumentou. A criminalidade ficou mais a vontade, principalmente por causa da impunidade, acobertada pelo presidente. Mas isso, meu caro, só se você fazer parte do time dele.

Exemplos claros são a presença de Antônio Palocci no governo Dilma e o fato recente, que tomei conhecimento hoje, de que Lula defende a volta de Delúbio Soares, ex-tesoureiro de campanha expulso do PT, ao partido.

Mas o nobre leitor pode me questionar: “Mas e o Alckmin que acaba de nomear um pessoa que já foi condenada por improbidade administrativa?” Não pense que eu esqueci desse fato, e para piorar, por ter elevada estima e confiança no governador de São Paulo, só posso fazer papel de desapontado. Mas nem tanto, afinal repeti mais de uma vez que PSDB e PT são farinha do mesmo saco. Eu até defenderei a fusão do partido, em artigo posterior.

Sendo assim, nobre leitor, o que poderemos fazer para tentar forçar a mudança da mentalidade de nossos políticos? Nós não temos força, a não ser naquela maquininha que usamos esporadicamente em domingos de outubro e novembro. Você ainda tem dúvida de que ela é nossa única saída? Acho que sim, visto os resultados das eleições no Rio de Janeiro, Maranhão, Rio Grande do Sul e por que não, São Paulo.

Deixe um comentário

Arquivado em Cotidiano Nacional

Não abandone seu animal de estimação

O campus da USP é um local reconhecido por ser local de “desova” de cães e gatos.

Pessoas, na maioria das vezes mimadas ao extremo e sem um pingo de noção, trazem o animal até o campus e dão o fora. Eles ficam à própria sorte e ganham o carinho e atenção dos alunos e funcionários da universidade. Muitos ficam esbeltos pois conseguiram se fixar próximo aos restaurantes universitários.

Ontem, ao passar pela praça do relógio, pude ser testemunha do abandono destes animais. Um dos gatinhos dormia tranquilamente, enquanto que o outro nos olhava desconfiado.

Foto: Arquivo Pessoal

Portanto não abandone seu bichinho de estimação. Faça como eu: se não tem certeza de que vai dar conta, não os tenha.

Deixe um comentário

Arquivado em Cotidiano Nacional

Feriado em São Paulo

Pelo menos os servidores públicos do Estado, sediados na capital paulista, poderão aproveitar o primeiro feriadão do ano.

Nós vamos parar de trabalhar hoje e só voltamos na quarta de manhã, depois de comemorar o aniversário da cidade, que acontece no dia 25.

Antigamente esses feriados eram comemorados em São Paulo, porque a cidade ficava realmente vazia e era bastante agradável andar pelas ruas da cidade, seja de carro ou seja de transporte público.

Hoje, infelizmente, a coisa está insuportável. Por mais que as pessoas saiam para o litoral ou para o interior, a cidade continua cheia e as filas são encontradas com muita facilidade.

As gerações futuras enfrentarão o desafio de morar em uma megalópole e os prognósticos para o futuro não são dos melhores.

Pena (ou sorte) que nós não veremos tais eventos.

Deixe um comentário

Arquivado em Cotidiano Nacional

Resultado do Concurso “Escolha o nome do meu blog”

Nobres leitores. Infelizmente ninguém conseguiu sensibilizar este editor para o novo nome do blog que contaria histórias dos meus 9 anos na Reitoria da USP.

Em contra partida, enquanto o concurso estava em andamento, por um tempo havíamos desistido de tocar esse barco e por outro decidimos criar uma seção no próprio Cotidiano Nacional.

Mas porque estamos nessa dúvida? Existem muitas histórias perto do inacreditável que devem ser contadas, com uma dose de exagero e também de descrença, porque alguns acontecimentos não deveriam ganhar nenhum tipo de publicidade.

Enfim, ainda não sabemos o que fazer e estamos analisando todas as possibilidades.

Mas aguarde que, se for o caso, vocês conhecerão os “Contos da Repartição”.

Deixe um comentário

Arquivado em Cotidiano Nacional