Arquivo do mês: fevereiro 2011

O fim das compras de mês

Uma reportagem neste domingo mostrou um casal com problemas financeiros indo ao supermercado fazer a compra de mês e gastando perto de R$ 600,00. Independente desta reportagem, já faz um tempo em que me pergunto o porquê de se fazer compras de mês.

São várias os revezes, desde os supermercados lotados, até as alterações de preços que os supermercados fazem de forma descarada e o fato de comprar muito, mas muito mais do que realmente necessitamos ou de ter a capacidade de consumir no intervalo de um mês. E obviamente muitas outras compras menores deverão ser feitas no decorrer do mês, aumentando o gasto com essas despesas.

E dizer que está gastando bem porque está comprando comida também é uma desculpa fajuta. Gastar muito não significa que você está se alimentando de forma adequada, ou mesmo com qualidade. As compras por mês era na época do Sarney, quando a inflação chegou a 80%. Não deveria ser fácil comprar um pacote de arroz por R$ 8,00 no começo do mês e por R$ 14,40 no final mês. Por isso surgiu a compra do mês.

Mas agora, com mais uma década de estabilidade econômica, podemos deixar essa prática de lado e tornar as compras em supermercado uma atividade mais prazeirosa. Quase uma diversão.

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Cotidiano Nacional

Contos da Repartição

Assim que terminou o ano decidi escrever uma série intitulada “Contos da Repartição”, onde seriam relatados os 9 anos de experiência nos corredores da Reitoria da maior universidade pública brasileira.

Entretanto, como ainda faço parte do quadro de servidores da Universidade e visto que a nova administração tem promovido algumas mudanças controversas, a série que contará histórias pitorescas do dia-a-dia administrativo da Universidade será postergada para janeiro de 2013.

Na verdade não contaremos nada que possa ofender ou prejudicar quem quer que seja, mas achamos por bem respeitar todos aqueles que ainda ocupam cargos de confiança que certamente seriam citados por nossos contos. Mas, em 2013, não vamos nos preocupar com quem estará ou não no cargo. Se tiver ainda, já é um bom motivo para estreiar nossa série.

Pedimos sinceras desculpas aos leitores que por ventura criaram algum tipo de expectativa, mas essa decisão se faz necessária no momento. Mas desde já convidamos o leitor a ficar com a gente, até 2013, como prova de perseverança, tanto para o nobre leitor, como para nós do Cotidiano Nacional.

Deixe um comentário

Arquivado em Cotidiano Nacional

Todo o meu respeito ao José Sarney

Foto retirada do site Portal AZ

Já faz tempo que gostaria de declarar meu respeito e admiração pelo senador José Sarney. E gostaria que muitos pudessem respeitá-lo também.

Sarney foi pulso forte logo após a morte de Tancredo Neves e não permitiu uma reviravolta na questão do fim da ditadura. Assumiu o governo, fez o que pode, e lançou o país em novos tempos.

Quem consegue esquecer, por exemplo, a inflação de mais de 80% ao mês? Ou pessoas fechando estabelecimentos em nome do presidente da nova república e logo depois cantar o hino nacional?

Sarney completa, neste ano, 57 anos de vida pública. Será que temos noção realmente do que isso representa? Ele já foi tudo o que pode ser e ainda tem disposição para continuar no poder, mesmo com mais de 80 anos.

E não é só isso. Sarney tem filhos políticos. Sua filha é governadora do Maranhão e seu filho também sempre esteve na política. Atualmente “defende” seu 6º mandato como deputado federal pelo Maranhão.

Por falar em Maranhão, Sarney conseguiu ser eleito Senador pelo Amapá. Como uma pessoa nascida e radicada no Maranhão, consegue ser Senador por outro Estado. Esse foi um feito e tanto.

Por fim, Sarney ganhou definitivamente minha simpatia ao “levar na esportiva” o episódio de sua aposentadoria, situação que deixou o STF constrangido. Com bom humor, gostou de ser comparado ao Ronaldo e pediu ao STF que poupasse a brincalhona.

Sarney sempre será lembrado por todos, ainda por muitos anos, independente se pelo bem ou pelo mal.

Deixe um comentário

Arquivado em Cotidiano Nacional

Aparência de Presidente

Eu não sou diferente das maiorias das pessoas que querem comentar sobre política ou qualquer outro assunto. Simplificando, eu tenho a minha opinião e preciso respeitá-lo, mesmo que você nobre leitor, não o faça.

Olhando para o Lula e agora para a Dilma, ambos não tem aparência de presidente. Não sei se é postura – ou falta dela – ou se é simplesmente questão de comportamento mesmo.

Olhando para a Dilma então, ela mais parece a “chefe da cozinha” (sim, é um comentário preconceituso, a única vantagem é que não estou escondendo isso do leitor). Não tem cara de presidente. Não tem jeito nem estilo. Ainda mais querendo ser chamada de Presidenta. Desta forma, a visão está completa. Presidente me lembra governanta.

Os presidentes anteirores, excluindo os milicos, todos tinham postura de presidente. Sarney, Collor, Itamar e FHC. Tinha estilo, tinha educação, principalmente, exceção feita a Collor, que tinha também “aquilo roxo”. Obviamente que nada disso faz com que os 4 juntos fossem melhor que Lula ou que Dilma deixará a desejar por parecer qualquer outra coisa.

Mas de alguma forma faz falta a postura presidencial.

Deixe um comentário

Arquivado em Cotidiano Nacional