Arquivo da categoria: Ciência

O céu brilha enquanto você assiste novela

sky05040626PMEngana-se o nobre leitor se pensa que o Hubble foi a única coisa a brilhar no céu noite passada.

Para os amantes da astronomia (não quero ninguém confundindo com astrologia) o céu ontem estava bastante rico, mesmo com as luzes e a poluição da grande São Paulo.

Enquanto o Hubble atravessava o céu, Júpiter despontava a noroeste e Saturno brilhava a oeste. Ambos eram visíveis a olho nu. Para os desavisados, eram apenas estrelas no céu.

Mas os planetas não eram as únicas “estrelas” desta noite. Algumas das estrelas mais brilhantes estavam para quem quisesse ver e apreciar uma noite limpa, sem luar, perfeita para a visualização de estrelas e planetas.

O cinturão de Órion, popularmente chamado de Três Marias podia ser visto bem próximo a Júpiter. A constelação de Gêmeos também estava próxima, com suas estrelas mais brilhantes que facilitam sua localização: Castor e Pólux.

A constelação de Cão Maior, que possui a estrela mais brilhante do nosso céu, depois do Sol, Sirius, que também é uma das estrelas mais próximas da Terra, também “enricava” a nossa noite.

Mais próximo do Cruzeiro do Sul, temos a constelação de Carina, que possui a segunda estrela mais brilhante do céu, Canopus. Além desta, essa constelação conta ainda com Eta Carinae, uma das estrelas mais fascinantes do Universo.

E o que dizer então da constelação de Centauro. Duas estrelas brilhantes próximas ao Cruzeiro do Sul ajudam na sua localização: são Alpha (terceira mais brilhante) e Beta Centauri. Se não bastasse essas duas, temos ainda Próxima Centauri, que é a estrela mais próxima do Sistema Solar e nesta constelação existe ainda a Nebulosa do Bumerangue, que é (ou era) o local mais frio conhecido pela ciência, com temperaturas próximas de -272°C.

E pra terminar, acompanhando Saturno temos a constelação de Virgo (Virgem), capitaneada pela estrela Spica, também listada entre as mais brilhantes do céu.

Resumindo: 2 planetas, as 3 estrelas mais brilhantes depois do Sol, o Cruzeiro do Sul, as 3 Marias, uma estrela prestes a explodir, um objeto de 11 toneladas cruzando o céu a mais de 27.000km/h. Se depois disso tudo você ainda preferir uma flor do caribe ou quiser salvar o Jorge, achando que ele é sangue bom, lamento muito pela sua falta de perspectiva.

Nota do Editor: Saiba mais sobre Eta Carinae: http://www.zenite.nu/15/0915.php

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Ciência

Governo irá indenizar “vítimas” da talidomida

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva sancionou lei que concede indenização a pessoas com deficiência física causada pelo uso da talidomida.

O medicamento, usado como sedativo, era ministrado por médicos a gestantes e dentro dos 3 primeiros meses de gestação causava sérios danos ao feto, principalmente o encurtamento dos braços e pernas.

No Brasil, como não poderia deixar de ser, apesar de todos os avisos e informes sobre os perigos do uso do medicamento, ele só foi retirado do mercado em 1965 (1961 no resto do mundo) e mesmo assim continuou sendo usado indiscriminadamente por vários anos para tratamento de hanseniase.

Na verdade, a utilização, quando se fala em hanseniase, não é para tratar da doença propriamente dita, mas no “tratamento de estados reacionais” da doença (ABPST).

Acredita-se que a Lei possa trazer um pouco mais de conforto às pessoas atingidas pela irresponsabilidade dos órgãos governamentais que demoraram uma “eternidade” para perceber o perigo do uso do medicamento sem nenhum critério, ao que parece.

Apesar das aplicações do remédio em outros tratamento como AIDS , Lupus e outras, os perigos na utilização por mulheres ainda deve ser feito com muita cautela, visto que ainda não foi possível determinar quanto tempo o organismo demora para eliminá-lo.

O que precisa é seriedade e responsabilidade de nossas autoridades da saúde e respeito ao ser humano, acima de tudo.

Deixe um comentário

Arquivado em Ciência, Cotidiano Nacional

Gripe suína: estão escondendo o jogo

Parece que as coisas não estão tão bem ou sob controle como as autoridades brasileiras querem que nos acreditemos.

Eu até concordo que as coisas podem ficar pior se divulgarmos os números reais. Mas isso só acontece em países como o nosso, de gente ignorante e sem educação.

Mas não podem esconder das pessoas a verdade: há muito mais mortos pela gripe suína do que os “escolhidos” 46 divulgados até agora. Fontes do Cotidiano Nacional dão conta de que só em Curitiba 22 pessoas já morreram, mas que foi “PROIBIDO DIVULGAR”. Segundo essa mesma fonte, o número na capital do Paraná seria de 75 mortos até agora.

E tem outra coisa que estão mascarando: fazendo-nos acreditar que só morre quem tem complicação. O jovem que morreu em Osasco era plenamente saudável e os pais reclamam do atendimento no Hospital, relatando inclusive descaso do médico. E agora, o rapaz morreu!

Outro indício que a coisa é mais grave do que aparenta é a suspensão das aulas no estado de São Paulo. O início, marcado para o dia 03, ficou para o dia 17. Mortes agora chegam ao Nordeste com o primeiro caso (sic) registrado na Paraíba.

E apesar de todo esse cenário castrastrófico, as únicas coisas a fazer são: 1) o governo criar vergonha na cara e providenciar remédios e vacina para o seu povo; 2) para de contar os mortos e começar a trabalhar buscando melhorar o atendimento médico e 3) se preparar para o próximo inverno, pois ao que tudo indica o vírus circula livremente e não mais ficaremos livres dessa modalidade gripal.

É uma pena que sempre alguns tenham que pagar pelo descaso das autoridades.

Deixe um comentário

Arquivado em Ciência, Cotidiano Nacional

20 de julho: o dia em que homem pisou na Lua

Há exatamente 40 anos o homem pisava na Lua, nosso satélite natural.

Até hoje pessoas acreditam nisso, enquanto outros “desacreditam”. Muitos morreram negando a proeza americana, outros, depois de consolidada a certeza, tiveram dúvidas diante de tantas contestações.

Eu mesmo cheguei a duvidar por alguns momentos, mas não por causa da bandeira “tremulante”, ou por causa da sombra. Desde criança aprendi que a bandeira era sustentada por hastes ou arame, que possibilitam ela ficar como se estivesse tremulando.

Minha dúvida era: porque naquela época foi “tão fácil” mandar naves e astronautas para o espaço e hoje, se cair uma gota d água, eles adiam o lançamento dos ônibus espaciais?

Ontem assisti na TV um dos astronautas, sendo chamado de mentiroso e desferindo um cruzado de direita em seu oponente. Se eu tivesse pisado na Lua, e alguém viesse por em dúvida minha proeza, também faria o mesmo. Tem hora que chega a ser mesmo falta de respeito com esses homens valorosos, principalmente se eles foram realmente até o satélite. E eu não tenho outro sentimento, a não ser admiração!

Para aqueles mais apaixonados pelo espaço e pelas atividades do homem nos confins, indico o seguinte site: http://wechoosethemoon.org/#

Desde o dia 16 – lançamento da missão – estão simulando todo o percurso da nave até a Lua. No momento que escrevo esse post, inclusive, eles estão a 2h 30 minutos de pousar na Lua. Acompanhe, vale a pena. (Cometi um engano aqui. Ainda não é o pouso, mas apenas a liberação do módulo lunar)

Que as comemorações da chegada do Homem à Lua possam trazer inspiração para todos, de que dias melhores poderão vir, e que depende muito mais de nós do que de qualquer outra “coisa” ou instituição. Na verdade, só depende de nós.

Parabéns aos astronautas Neil Armstrong, Buzz Aldrin e Michael Collins por este grande feito, e por todos os demais que tiveram este grande privilégio.

A visão da Terra do espaço é algo que só quem lá esteve pode descrever as emoções e os sentimentos.

Deixe um comentário

Arquivado em Ciência, Internacional

A morte de um lutador

De 4 em 4 anos adquiro um exemplar do Almanaque Abril. O primeiro foi em 2001, depois 2005 e agora o de 2009.

E folheando-o me deparei com a sessão de mortes ocorridas em 2008. E qual não foi minha surpresa ao me deparar com o óbito do Dr. Judah Folkman ocorrido no longínquo 15 de janeiro de 2008.

Conheci e aprendi a admirá-lo nas aulas de Biologia Molecular. Folkman foi um incansável lutador contra o câncer e fez grandes descobertas e muitos avanços na área.

“Considerado um dos maiores especialistas em câncer no mundo, o pesquisador norte-americano JUDAH FOLKMAN cria uma nova maneira de combater a doença. Ao comprovar a relação entre o crescimento dos vasos sanguíneos e os tumores malignos, os estudos de Folkman permitiram o desenvolvimento de drogas que evitam a chegada do sangue até o tumor” (Almanaque Abril 2009).

Folkman morreu de infarto no estado americano do Denver. Tinha 74 anos.

Deixe um comentário

Arquivado em Ciência, Internacional

Na terra, no ar e no mar

Para nós já é novidade discutir sobre o trânsito das grandes cidades e a enormidade de acidentes que acontecem nas rodovias, em especial nos feriados, quando aumenta a quantidade de veículos.

Mas agora o trânsito também tem destaque no mar e no ar, mais precisamente no espaço.

Dois satélites, um americano e outro russo, se chocaram no espaço espalhando um sem número de pedaços (que vão se juntar a outro sem número, o famoso lixo espacial) que poderá por em risco a Estação Espacial Internacional. A ISS tem um custo estimado de US$ 100 bilhões de dólares e tem a participação do Brasil. Assista aqui a possíveis destroços dos satélites no céu dos Estados Unidos (Reportagem da BBC).

O curioso aqui é que apesar da grande quantidade de objetos em órbita – 220 satélites comerciais e cerca de 10 mil objetos (lixo espacial) – é a primeira vez na história que satélites colidem. Será a primeira de muitas?

Dois submarinos, um francês e outro inglês, se chocaram no Oceano Atlântico no começo do mês de fevereiro. Ambos sofreram graves danos, mas apesar de “carregados” com mísseis nucleares, as autoridades dos dois países negaram qualquer tipo de problema em relação às suas cargas.

O que mais incomoda do acidente com os submarinos  é que ele aconteceu no começo do mês e só foi divulgado ontem (16/02). Foram pelo menos 15 dias. Minha pergunta é: se houvesse um desastre (se é que não houve) será que ficaríamos sabendo?

Corremos um grande risco e isso é o que mais incomoda. Dependendo do acontecido, só ficamos sabendo depois, ou quando o perigo passou ou ainda  quando não foi nada além do susto. Talvez um dia vamos dormir e quando acordar, nada mais restará.

Para saber mais:

Submarinos nucleares britânico e francês colidem no oceano

Dois satélites se chocam no espaço em acidente inédito

Nota da Redação: O link do vídeo foi disponibilizado utilizado a ferramenta do migre.me, um “encurtador” de endereços. Acesse e conheça: http://www.migre.me

Deixe um comentário

Arquivado em Ciência

O mundo dos cientistas

Pela terceira vez começo a escrever a este post e certamente agora ele terá o seu fim. Não sei porque encontrei tanta dificuldade em falar sobre esse assunto, mas como estou de certa forma envolvido nele, aconteceram alguns bloqueios que nem sei se vão acontecer novamente, mas o importante é chegar ao fim.

Quando vou escrever um artigo raramente faço rascunhos ou penso antes de escrever. A idéia vem e eu começo a digitar. Faço uma revisão e corrijo os erros de português que consigo encontrar. De resto, podemos dizer que é originalíssimo, pois acabou de “nascer”

Não há como negar que os cientistas não são pessoas comuns. Mas isso não significa que eles são melhores. Acho até que enfrentam mais dificuldades, justamente por essa diferença. E para mim isso não é diferente. Como sou um homem “dedicado a ciência”, não me considero uma pessoa comum.

Nós até tentamos participar das mesmas coisas. Nos esforçamos para “entrar” naquele mundo, que parece ser o mais divertido de todos. Mas é impossível não olhar para eles com outros olhos.

É um sentimento bastante curioso, longe de ser algo para ser orgulhar ou para se vangloriar, mas sempre estamos pensando em algo que nos faz ficar totalmente deslocado em uma festa, por exemplo. Por mais que o recinto esteja lotado, parece que somos solitários.

É assim o dia-a-dia de alguém que escolheu a ciência. Ou como diria a música: “de escolha própria, escolheu a solidão”.

Deixe um comentário

Arquivado em Ciência, Cotidiano Nacional